domingo, 30 de dezembro de 2012

SIM SOU CRISTÃO

Na fila do ônibus apareceram duas mulheres mostrando um comportamento nada elogiável. Aos olhos do seminarista parecia que uma delas estava possuída por algum demônio de prostituição. O seminarista fez o que lhe foi possível: orou, pedindo a Jesus que libertasse a moça daquele jugo.

Entrando no ônibus, o seminarista se distraiu com as paisagens e esqueceu daquelas mulheres. Para seu consolo, chegou a lembrar-se que o próprio Senhor Jesus tivera problemas desse tipo, especialmente quando falou ao jovem mancebo:
 “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; e vem e segue-me. (Mateus 19.21)”.
De repente o seminarista percebeu que alguns bancos à frente, a mulher endemoniada assediava um jovem que estava próximo. Ela falava alto e não teve como deixar de ouvi-los.

Primeiro, o rapaz mostrava uma foto para a mulher. Depois, ela perguntou o seu nome e ele respondeu. Em seguida, ela disparou uma rajada de perguntas: _Você bebe? Fuma? Dança? É cristão? O rapaz tentava agradar à mulher, respondendo a cada uma das perguntas. Não fumo, não bebo, etc etc. Mas quanto a ser cristão, ele ficou meio desconsertado e disse: _Sou cristão afastado. A resposta entrou como uma espada no coração do seminarista. Milhões de questionamentos passaram por sua cabeça naquela hora. Veja o que a bíblia diz a respeito do cristão desviado:

 2 Pedro 2.20,21 “Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.
Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado.”.
Realmente soou feia, aquela resposta. Se dissesse que era cristão provavelmente o demônio que se incorporava naquela mulher, continuasse tentando seduzi-lo apenas para tentar sujar o nome de Cristo. Se dissesse que não, talvez a mulher se interessasse por ele, já que ela também não o era.

Aparentemente a intenção do rapaz ao se apresentar como cristão afastado era de atrair o interesse da mulher, mas o tiro saiu pela culatra. O seminarista percebeu que a mulher virou-se para o outro lado e desinteressou-se imediatamente.

Daí, chegou a conclusão que o crente afastado até o diabo despreza.

Depois disso, o seminarista passou a pensar no que poderia ter levado aquele jovem a abandonar Cristo:

Será que Cristo não foi digno de uma pessoa tão importante?

Ou será que aquele jovem, na realidade, nunca houvera conhecido a Cristo?

A segunda hipótese pareceu ser a mais aceitável. As igrejas estão repletas de gente que assistem os cultos (alguns até trabalham nos cultos), sem nunca conhecerem a Cristo.

Se um dia as pessoas desse tipo pararem de freqüentar a igreja, vão sair por aí dizendo que são cristãos afastados, mas na verdade nunca foram cristãos. Para estes resta a Palavra que está em Gálatas 6.7: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”. Bom será que estes deixem de ser apenas ouvintes e se tornem praticantes da Palavra. Assim poderão ter a resposta certa para a pergunta: _Sou cristão, sim senhora!

NÃO DESISTA DE ORAR

­­­­­
Orar, orar e não receber o que se pede. Pedir, persistir e não ter resposta alguma. Às vezes, é isso o que acontece, porque Deus responde na hora e da forma que Ele quer.
Mas há uma parábola que fala sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer, que conta a história de uma viúva que precisava do julgamento de um juiz injusto. Porém, ela não desistiu até que fosse atendida.
Ele, por algum tempo, não a quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a Deus, nem respeito a homem algum; todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha a molestar-me.” Lucas 18:4-5
O juiz somente atendeu aquela viúva porque ela era muito insistente. Será que somos persistentes assim também ao falar com o Justo dos justos?
O Senhor estabelece justiça
A oração é o caminho para que entendamos Deus e Seus planos. Por isso, não podemos desistir de orar, porque a justiça chegará, mesmo que seja tarde aos nossos olhos, no momento em que menos se espera, quando não há mais esperança humana.
Mas qual é a sua capacidade de persistência? Quanto você tem orado pela justiça de Deus, por uma resposta? Quanto do seu tempo tem dedicado a conhecer mais Dele?
Ele é um supremo juiz e está agindo, mesmo que não vejamos. O segredo é ter fé que Ele fará e não fazer por si, correr atrás do vento, fazer do próprio jeito. Quando isso acontece, perde-se a fé de que algo pode acontecer, porque se está agindo no lugar de Deus.

“Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento.” Eclesiastes 1:14
Apenas ore, creia, tenha fé, que Ele é justo e nos ouve. Não desista, mas persista. Faça a sua parte que Deus fará a Dele, no melhor momento e da melhor forma.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

AME O PROXIMO

Um dia, o pai de Woo Sing chegou em casa com um espelho trazido da cidade grande. Woo Sing nunca vira um espelho na vida. Dependuraram-no na sala enquanto ele estava brincando lá fora; quando voltou, não compreendeu o que era aquilo, pensando estar na presença de outro menino.

Ficou muito alegre, achando que o menino viera brincar com ele, falou muito amigavelmente com o desconhecido, mas não teve resposta.

Riu e acenou para o menino no vidro, que fazia a mesma coisa, exatamente da mesma maneira.

Então, Woo Sing falou:
- Vou chegar mais perto. Pode ser que ele não esteja me escutando.

Mas quando começou a andar, o outro menino logo o imitou. Woo Sing estacou e ficou pensando nesse estranho comportamento. E disse para si mesmo:
- Esse menino está zombando de mim; faz tudo o que eu faço!

E quanto mais pensava, mais zangado ficava. E logo reparou que o menino estava zangado também. Isso acabou por irritá-lo mais ainda e deu um tapa no menino, mas só conseguiu machucar a mão, e foi chorando até seu pai.

O seu pai então lhe disse:
- O menino que você viu era a sua própria imagem. Isso deve ensinar você uma importante lição, meu filho. Tente não perder a cabeça com as outras pessoas. Você bateu no menino no vidro e só conseguiu machucar a si mesmo.

Na vida real é assim, quando você agride o proximo, o mais magoado é você mesmo.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

DEUS DA O MELHOR

Três rapazes suspiravam por encontrar o Senhor, a fim de fazer-lhe rogativas.
Depois de muitas orações, eis que, certa vez, no campo em que trabalhavam, apareceu-lhes o carro do Senhor, guiado pelos anjos.
Radiante de luz, o Divino Amigo desceu da carruagem e pôs-se a ouvi-los.
Os três ajoelharam-se em lágrimas de júbilo e o primeiro implorou a Jesus o favor da riqueza. O Mestre, bondoso, determinou que um dos anjos lhe entregasse enorme tesouro em moedas, O segundo suplicou a beleza perfeita e o Celeste Benfeitor mandou que um dos servidores lhe desse um milagroso ungüento a fim de que a formosura lhe brilhasse no rosto. O terceiro exclamou com fé:
— Senhor, eu não sei escolher... Dá-me o que for justo, segundo a tua vontade.
O Mestre sorriu e recomendou a um dos seus anjos lhe entregasse uma grande bolsa.
Em seguida, abençoou-os e partiu...
O moço que recebera a bolsa abriu-a, ansioso, mas, oh! desencanto!... Ela continha simplesmente uma enorme pedra.
Os companheiros riram-se dele, supondo-o ludibriado, mas o jovem afirmou a sua fé no Senhor, levou consigo a pedra e começou a desbastá-la, procurando, procurando...
Depois de algum tempo, chegou ao coração do bloco endurecido e encontrou aí um soberbo diamante. Com ele adquiriu grande fortuna e com a fortuna construiu uma casa onde os doentes pudessem encontrar refúgio e alivio, em nome do Senhor.
Vivia feliz, cuidando de seu trabalho, quando, um dia, dois enfermos bateram à porta. Não teve dificuldade em reconhecê-los. Eram os dois antigos colegas de oração, que se haviam enganado com o ouro e com a beleza, adquirindo apenas doença e cansaço, miséria e desilusão.
Abraçaram-se, chorando de alegria e, nesse instante, o Divino Mestre apareceu entre eles e falou:

- Bem-aventurados todos aqueles que sabem aproveitar as pedras da vida, porque a fé e a perseverança no bem são os dois grandes alicerces do Reino de Deus.

domingo, 23 de dezembro de 2012

MUDE A SUA VIDA

Acorde! – disse uma vozinha fina.
Tommy acordou e sentou-se. Ao pé da cama viu um menino da sua idade, todo de branco, como neve fresca. Tinha os olhos muito brilhantes e olhava direto para Tommy.
- Quem é você? – perguntou Tommy.
- Eu sou o Ano Novo! – disse o menino. – Hoje é o meu dia, e trouxe para você páginas novas.
- Que páginas? – perguntou Tommy.
- Páginas bem novinhas, pode Ter certeza! – disse o Ano Novo. – Tenho ouvido más notícias de você pelo meu pai…
- Quem é o seu pai? – perguntou Tommy.
- O Ano Velho, é claro! – disse o menino. – Ele falou que você fazia perguntas demais, e estou vendo que ele tinha razão. Ele também me disse que você guarda rancor, que às vezes belisca sua irmã mais nova e que, um dia, você jogou seu livro da escola no fogo. Agora, tudo isso tem que acabar!
- Ah, é mesmo? – disse Tommy. Ele ficou tão espantado que nem sabia o que dizer.
O menino fez que sim com a cabeça.
- Se não parar – disse ele – , você só vai piorar a cada ano, até virar o Homem Horrível. Você quer ser o Homem Horrível?
- N-não! – disse Tommy.
- Então você tem que parar de ser um menino horrível! – disse o Ano Novo. – Pegue as suas páginas!
E estendeu um maço do que parecia serem folhas de caderno, todas completamente brancas, como suas roupas.
- Todo dia, vire uma dessas páginas – disse – e logo você será um menino bom em vez de horrível.
Tommy pegou as folhas de papel e ficou olhando. Em cada uma, estavam escritas algumas palavras:
“Ajude sua mãe e seu pai!”
“Cate seus brinquedos!”
“Pare de sujar o chão de lama!”
“Seja bom para sua irmãzinha!”
“Não brigue com o Billy Jenkins!”
- Ah, não! – gritou Tommy. – Eu tenho que brigar com Billy Jenkins! Ele falou que…
- Adeus! – disse o Ano Novo. – Vou voltar quando estiver velho, para ver se você foi um bom menino ou um menino horrível. Lembre-se:
Se bom ou horrível vai ser,
Só você pode resolver.
Ele virou-se e abriu a janela. Um vento frio soprou, varrendo as folhas das mãos de Tommy.
- Pare! Pare! – gritou ele. – Diga-me…
Mas o Ano Novo tinha ido embora, e Tommy viu sua mãe entrando no quarto.
- Meu filho! – disse ela. – O vento está desarrumando tudo!
- Minhas páginas! Minhas folhas! – gritou Tommy.
Pulando da cama, procurou pelo quarto todo, mas não achou nenhuma.
- Não tem importância – disse Tommy. – Consigo ir virando-as do mesmo jeito, e juro que vou. Não vou virar o Homem Horrível.
E não virou mesmo.
Neste ano que comeca não se deixe levar pela mesmice do ano velho.

 Se voce é cristao voce nao faz mais que obrigacao de mudar, pois voce  ja e nova criatura.
 Se voce não  é cristao  aceite jesus em seu coracao  e tudo se fara novo.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

COLO DE PAI





Todas as noites a pequena Rita, menina de quatro anos, trazia o livro de histórias a seu pai e pedia que lesse a história do bebê Moisés. Finalmente o pai teve uma boa idéia: fez uma fita, gravando a história.

Quando Rita pedia que lesse sobre Moisés, ele simplesmente ligava o gravador. Foi muito bom por várias noites, até que certa noite,Rita trouxe o livro mais uma vez para o pai.  "Meu amorzinho,ele falou,"você sabe ligar o gravador."  Sim, ela respondeu, "mas eu não posso sentar no colo dele."

Como anda o seu tempo para com seu filho ?
Tome cuidado, existem muitos que tem tempo para sentar seu filho no colo e, ensinar lhes  o que é errado.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

NÃO SEJA CONFUNDIDO

Um fazendeiro, enfrentando problemas com corvos em suas plantações de milho, carregou sua espingarda e rastejou sem ser visto pelo canto da cerca determinado a atirar contra os pássaros em sua plantação. O fazendeiro possuía um papagaio muito "sociável", que fazia amizade com todo mundo.

Vendo o bando de corvos, o papagaio voou e juntou-se a eles (apenas sendo sociável, é claro). O fazendeiro viu os corvos mas não viu o papagaio.

Ele fez cuidadosa pontaria e atirou! O fazendeiro se levantou por trás da cerca para pegar os corvos caídos, e lá estava seu papagaio, arrepiado, com uma asa quebrada, mas ainda vivo. Ternamente, o fazendeiro levou o papagaio para casa, onde seus filhos o encontraram.

Vendo que seu bicho de estimação estava ferido, chorando, perguntaram:
- O que aconteceu, Papai?

Antes que ele respondesse, o papagaio falou mais alto:
- Más companhias

Um dos grandes motivos de crise no seio de nossas famílias consiste na falta de cuidado em relação às companhias às quais nos associamos. Maridos que deixam as esposas em casa para noitadas com colegas nos bares, esposas que se esquecem dos afazeres do lar em casa de vizinhas, filhos que se enveredam pelas estradas tortuosas desse mundo, adquirindo vícios que afligem e destroem a vida tranquila do lar.

Amamos aqueles que estão no mundo mas não precisamos fazer tudo que eles fazem. A Palavra de Deus nos diz que:

 "todas as coisas nos são lícitas, mas nem todas as coisas convêm". 1Co 6:12a

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

SERA QUE VOCE AMA

Um dia, levantei-me de manhã cedo para assistir o nascer do sol.
A beleza da criação Divina estava além de qualquer descrição.
Enquanto eu assistia, louvei a Deus pelo Seu belo trabalho.
Sentado lá, senti a presença de Deus comigo.
Ele me perguntou:

"Você Me ama?"

Eu respondi:
"É claro, Deus! Você é meu Senhor e Salvador!"

Então Ele perguntou:
"Se você tivesse alguma dificuldade física, ainda assim Me amaria?"

Eu fiquei perplexo. Olhei para meus braços, pernas e para o resto do meu corpo e me perguntei quantas coisas eu não seria capaz de fazer, as coisas que eu dava por certas.
E eu respondi:
"Seria difícil Senhor, mas eu ainda Te amaria."

Então o Senhor disse:
"Se você fosse cego, ainda amaria minha criação?"

Como eu poderia amar algo sem a possibilidade de vê-lo? Então eu pensei em todas as pessoas cegas no mundo e quantos deles ainda amaram Deus e Sua criação. Então respondi:
"É difícil pensar nisto, mas eu ainda Te amaria."

O Senhor então perguntou-me:
"Se você fosse surdo, ainda ouviria minha palavra?"

Como poderia ouvir algo sendo surdo?
Então eu entendi. Ouvir a palavra de Deus não é simplesmente usando os ouvidos, mas nossos corações. Eu respondi:
"Seria difícil, mas eu ainda ouviria a Tua palavra."

O Senhor então perguntou:
"Se você fosse mudo, ainda louvaria Meu nome?"

Como poderia louvar sem uma voz? Então me ocorreu: Deus quer que cantemos de toda nossa alma e todo nosso coração. Não importa como possa parecer. E louvar a Deus não é sempre com uma canção, mas quando somos oprimidos, nós louvamos a Deus com nossas palavras de gratidão. Então eu respondi:
"Embora eu não pudesse fisicamente cantar, eu ainda louvaria teu nome."

E O Senhor perguntou:
"Você realmente Me ama?"

Com coragem e forte convicção, eu respondi seguramente:
"Sim, Senhor! Eu te amo, Tu és o único e verdadeiro Deus!"

Eu pensei ter respondido bem, mas então Deus perguntou:
"ENTÃO POR QUE PECAS?"

Eu respondi:
"Porque sou apenas um humano. Não sou perfeito."

"ENTÃO PORQUE EM TEMPOS DE PAZ VOCÊ VAGUEIA AO LONGE? PORQUE SOMENTE EM TEMPOS DE PROBLEMAS VOCÊ ORA COM FERVOR?"

Sem respostas. Somente lágrimas.

O Senhor continuou:
"Por que cantas somente nas confraternizações e nos retiros?
Por que Me buscas somente nas horas de adoração?
Por que Me perguntas coisas tão egoístas?
Por que me fazes perguntas tão sem fé?"

As lágrimas continuavam a rolar em minha face.

"Por que você está com vergonha de Mim?
Por que você não está espalhando as boas novas?
Por que em tempos de opressão, você chora a outros quando eu ofereço Meu ombro pra você chorar nEle?
Por que cria desculpas quando lhe dou oportunidades de servir em Meu nome?"

Eu tentei responder, mas não havia resposta a ser dada.

"Você é abençoado com vida.
Eu não lhe fiz para que jogasse este presente fora.
Eu lhe abençoei com talentos pra Me servir, mas você continua a se virar.
Eu revelei Minha palavra a você, mas você não progride em conhecimento.
Eu falei com você, mas seus ouvidos estavam fechados.
Eu mostrei Minhas bênçãos, mas seus olhos se voltavam pra outra direção.
Eu lhe mandei servos, mas você se sentou ociosamente enquanto eles eram afastados.
Eu ouvi suas orações e respondi a todas elas."
"VOCÊ VERDADEIRAMENTE ME AMA?"

Eu não pude responder...
Como eu poderia? Eu estava inacreditavelmente constrangido.
Eu não tinha desculpa. O que eu poderia dizer?
Quando meu coração chorou e as lágrimas brotaram, eu disse:
"Por favor, perdoe-me Senhor. Eu não sou digno de ser Seu filho"

O Senhor respondeu:
"Esta é Minha Graça, Minha criança"

Eu perguntei":
"Então por que continuas a me perdoar? Por que me amas tanto?"

O Senhor respondeu:
"Porque você é Minha criação. Você é Minha criança.
Eu nunca te abandonarei.
Quando você chorar, Eu terei compaixão e chorarei com você.
Quando você estiver alegre, Eu vou rir com você.
Quando você estiver desanimado, Eu te encorajarei.
Quando você cair, Eu vou te levantar.



quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

NÃO BRINQUE DE SER CRISTÃO

11 perguntas feitas ao diabo baseadas na bíblia
(autor desconhecido)

QUEM O CRIOU?
Lúcifer : Fui criado pelo próprio Deus, bem antes da existência do homem. [Ezequiel 28:15]

COMO VOCÊ ERA QUANDO FOI CRIADO?
Lúcifer : Vim à existência já na forma adulta e, como Adão, não tive infância. Eu era um símbolo de perfeição, cheio de sabedoria e formosura e minhas vestes foram preparadas com pedras preciosas. [Ezequiel 28:12,13]

ONDE VOCÊ MORAVA?
Lúcifer : No Jardim do Éden e caminhava no brilho das pedras preciosas do monte Santo de Deus. [Ezequiel 28:13]

QUAL ERA SUA FUNÇÃO NO REINO DE DEUS?
Lúcifer : Como querubim da guarda, ungido e estabelecido por Deus, minha função era guardar a Glória de Deus e conduzir os louvores dos anjos. Um terço deles estava sob o meu comando. [Ezequiel 28:14; Apocalipse 12:4]
ALGUMA COISA FALTAVA A VOCÊ?
Lúcifer : (reflexivo, diminuiu o tom de voz) Não, nada. [Ezequiel 28:13]

O QUE ACONTECEU QUE O AFASTOU DA FUNÇÃO DE MAIOR HONRA QUE UM SER VIVO PODERIA TER?
Lúcifer : Isso não aconteceu de repente. Um dia eu me vi nas pedras (como espelho) e percebi que sobrepujava os outros anjos (talvez não a Miguel ou Gabriel) em beleza, força e inteligência. Comecei então a pensar como seria ser adorado como deus e passei a desejar isto no meu coração. Do desejo passei para o planejamento, estudando como firmar o meu trono acima das estrelas de Deus e ser semelhante a Ele. Num determinado dia tentei realizar meu desejo, mas acabei expulso do Santo Monte de Deus. [Isaías 14:13,14; Ezequiel 28: 15-17]

O QUE DETONOU FINALMENTE A SUA REBELIÃO?
Lúcifer : Quando percebi que Deus estava para criar alguém semelhante a Ele e, por conseqüência, superior a mim (o homem), não consegui aceitar o fato. Manifestei então os verdadeiros propósitos do meu coração. [Isaías 14:12-14]

O QUE ACONTECEU COM OS ANJOS QUE ESTAVAM SOB O SEU COMANDO?
Lúcifer : Eles me seguiram e também foram expulsos. Deus nos mandou para terra. Formamos juntos o império das trevas. [Apocalipse 12:3,4]

COMO VOCÊ ENCARA O HOMEM?
Lúcifer : (com raiva) Tenho ódio da raça humana e faço tudo para destruí-la, pois eu a invejo. Eu é que deveria ser semelhante a Deus. [1Pedro 5:8]

QUAIS SÃO SUAS ESTRATÉGIAS PARA DESTRUIR O HOMEM?
Lúcifer : Meu objetivo maior é afastá-los de Deus. Eu estimulo a praticar o mal e confundo suas idéias com um mar de filosofias, pensamentos e religiões cheias de mentiras, misturadas com algumas verdades. Envio meus mensageiros travestidos, para confundir aqueles que querem buscar a Deus. Torno a mentira parecida com a verdade, induzindo o homem ao engano e a ficar longe de Deus, achando que está perto. Faço cair o desânimo sobre eles, e até eles mesmo perseberem que a vida aqui na terra não tem sentido. E tem mais. Faço com que a mensagem de Jesus pareça uma tolice anacrônica, tento estimular o orgulho, a soberba, o egoísmo, a inimizade e o ódio dos homens.E aquela imagem do crucificado já estão tão acostumados, quando pecam não percebem que é um prego a mais que eles cravam na cruz. Outra das maiores armadilhas é a carne, como se torna fraca quando não há por parte deles a busca de estar próximo a Deus, faço do ato sexual apenas um prazer e não um compromisso, e a paixão ser apenas um divertimento por um dia, e é assim que levo muitos deles para o inferno. Diversas áreas da vida (trabalho, afetividade,espiritualidade) deles consigo manipular. Trabalho arduamente com o meu séquito para enfraquecer as igrejas, lançando divisões, desânimo, críticas aos líderes, adultério, mágoas, friezas espirituais, avareza e falta de compromisso (ri às escaras). Tento destruir a vida dos sacerdotes/pastores, principalmente com o sexo, ingratidão, e orgulho. [1Pedro 5:8; Tiago 4:7; Gálatas 5:19-21; 1 corintios 3:3; 2 Pedro 2:1; 2 Timóteo 3:1-8; Apocalipse 12:9]

E SOBRE O FUTURO?
Lúcifer : (com o semblante de ódio) Eu sei que não posso vencer a Deus e me resta pouco tempo para ir ao lago de fogo, minha prisão eterna. Eu e meus anjos trabalharemos com afinco para levarmos o maior número possível de pessoas conosco. Tentando fazer com que eles não percebam o quanto são preciosos ao HOMEM lá de cima, e não se voltem para Ele até o último suspiro. O principal é que os homens não se preocupem com o depois da morte e levem a vida conforme eu os conduzir. E o melhor, que eles pensem que ir a igreja os levará para o céu, sendo que lá eu os distraio e não levam nada para sua casa menos ainda para sua vida. [Ezequiel 28:19; Judas 6; Apocalipse 20:10,15; Isaias 43,4.

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu filho inigênito, para que todo aquele que nele crê não pereca, mas tenha vida a  eterna.  Jo 3-16

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

DE VALOR A SUA VIDA

Um grande navegador passava pela costa de uma ilha que ele nunca visitara. Como aquela rota era caminho dos antigos piratas, resolveu ancorar sua embarcação a fim de explorar um pouco a ilha e, quem sabe, encontrar nela um tesouro escondido.

Ao desembarcar, ficou maravilhado com tanta beleza natural. Logo iniciou a busca de alguma pista que o levasse ao possível tesouro. Não demorou muito para perceber uma marcação no tronco de uma arvore, indicando medidas e local de algo que poderia vir a ser um tesouro enterrado.

Entusiasmado com a descoberta, prosseguiu em sua busca até chegar ao local indicado. Segundo as instruções, uma arvore precisava ser derrubada e depois era necessário cavar cinco metros abaixo de sua raiz para atingir o tesouro. Feito isso, o navegador encontrou uma caixa de metal contendo muito ouro.

Feliz com sua descoberta, procurou voltar ao navio levando consigo o tesouro. Como o ouro pesava muito, cortou alguns troncos de arvore, amarrou-os e colocou o tesouro em cima para assim poder chegar até onde o navio estava ancorado.

Na volta para casa, já bem distante da ilha, foi pego de surpresa por uma tempestade. Mesmo sendo um navegador experiente, não conseguiu controlar a embarcação e acabou naufragando.

Desesperado, pensou em como salvar o ouro, mas logo percebeu que aquele momento o mais importante era a sua sobrevivência. Assim teve que desprezar o ouro, que afundou junto com o navio. Sobrou apenas, flutuando no meio do mar, a madeira que ele havia cortado para transportar o tesouro ate o navio. Foi graças a ela que o navegante se salvou.

Enquanto aguardava por socorro, ele se manteve boiando, agarrado aos troncos. Nesse momento ele pensou:
"O ouro, ao qual eu dava tanto valor, foi para o fundo do mar. Se eu tivesse me agarrado a ele, também teria afundado. Entretanto os troncos das arvores, que eu julguei não terem valor algum, salvaram a minha vida.

Algumas vezes aquilo a que você se apega é justamente o que o está afundando. Só depois de uma tempestade é que você vai descobrir o que vale a pena ter JESUS  em sua vida


Ora, levantou-se grande temporal de vento, e as ondas se arremessavam contra o barco, de modo que o mesmo já estava a encher-se de água.
E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro: eles o despertaram e lhe diziam: Mestre não te importa que perecamos!
E Ele despertando, reprendeu o vento e disse ao mar: Acalma-te, emudece ! O vento se aquietou e fez-se grande bonança.  Mc 4: 37-38-39

domingo, 9 de dezembro de 2012

O GUARDA E O MENDIGO


Um policial e um mendigo se encontram. O que você acha que vai acontecer? O policial vai perguntar o que ele está fazendo sentado naquela calçada e vai expulsá-lo dali... Lógico, você pensa. O mendigo vai xingar o policial e será detido por desacato... Talvez sim. Apesar de essas probabilidades serem grandes, não foi o que aconteceu. E nem poderia.
Lawrence DePrimo tem 25 anos e é agente num posto de combate ao terrorismo em Nova Iorque, Estados Unidos. Numa noite de trabalho qualquer, talvez nada seria mais interessante para ele do que deparar-se com um mendigo à sua frente.
Andando pela Times Square, ele viu um homem sentado na calçada. Era um mendigo. Estava vestindo roupas rasgadas e sujas e carregando uma sacola com suas significativas coisas. Mas o que chamou a atenção daquele policial fardado foi o fato de ele estar calçado com duas meias e botas e o mendigo, descalço. Naquela noite fria demais, o mendigo estava descalço.
O policial sentiu o frio que aquele mendigo idoso estava sentindo nele mesmo. E com os pés rígidos e cheios de bolhas que não lhe aqueciam, o homem, embora pedinte, não pedia nada.
O policial trocou algumas palavras com ele e ambos seguiram. O mendigo, corroído pelo frio do clima, e pelo frio humano, só conseguiu andar porque se apoiava com o calcanhar. Os dois foram parar numa loja de sapatos.
O gesto de solidariedade do policial contaminou o responsável pela loja naquele dia, que cedeu o seu desconto especial de funcionário ao comprador gentil. E o preço do sapato caiu de 100 para 75 dólares.
Na volta para a calçada, o agente ajoelhou-se diante do mendigo para ajudá-lo a colocar as botas.
A turista que tirou a foto também fora contaminada, e foi ela quem publicou a imagem na página do Facebook do departAMEnto de polícia de Nova Iorque. O policial ficou famoso. E o mendigo, que após ver as botas, tão feliz ficou que teve o seu rosto iluminado.
Ele é o cavalheiro mais educado que conheci, disse O agente sobre o mendigo. Porque é quando saímos do nosso status e nos igualamos ao PRÓXIMO que temos a capacidade de compreender o que se passa em seus olhos. Em sua pele. Com seus sentimentos.
E o mendigo, tão acostumado a não ser visto nem ouvido; tão invisível diante de olhos focados; tão deixado para trás diante de pés apressados, nem respondeu à pergunta do policial sobre uma xícara de café que lhe oferecera. Calçou os pés e seguiu o seu caminho. Talvez também não tivesse escutado. Ou já estava cauterizado diante da surdez do mundo. Ou mudo perante a escassez das palavras. Alheias.

sábado, 8 de dezembro de 2012

O APRESSADO

 
 

Do lado oposto do cruzamento, observei um carro hesitar quando o semáforo ficou verde. Então, do nada, uma voz começou a gritar: “Vai! Vai! Anda logo!” O motorista parecia assustado com os gritos furiosos e estava um pouco confuso sobre a origem da voz. Então, eu vi — o carro atrás dele estava equipado com um alto-falante que lhe permitia gritar com os outros motoristas! Finalmente, o motorista hesitante se recuperou e moveu seu veículo. Fiquei chocado com a rudeza e impaciência do motorista furioso.

Às vezes, as pessoas pensam que Deus é assim — irritado, impaciente e pronto para gritar com elas por meio de algum megafone divino. Elas temem que Deus esteja olhando por sobre seus ombros, pronto para punir cada ação errada.
Na verdade, as ações de Deus em relação a Seus filhos, mesmo que vacilemos em nosso caminhar ao longo da vida, provêm de Seu paciente amor. O apóstolo Paulo desejava que os tessalonicenses compreendessem isto e orou:

 “Ora, o Senhor conduza o vosso coração ao amor de Deus e à constância de Cristo” (2 Tessalonicenses 3:5).

Deus está agindo em nossas vidas e cumprirá Seus propósitos. Pode haver momentos em que Deus incite e discipline amorosamente Seus filhos, mas Ele não gritará conosco impacientemente.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

VENCA O MAL

"Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem" (Romanos 12:21).

O governador Stewart, de Missouri - USA, reconheceu, em um condenado que lhe solicitou perdão, um antigo companheiro sobre o qual serviu como camareiro em um barco a vapor. Stewart disse: "eu quero que você prometa que nunca mais usará uma vara e expulsará de sua cabina um menino doente em uma noite tempestuosa, porque um dia esse menino poderá ser um governador e você poderá querer que ele o perdoe de outro crime. Eu era aquele menino. Aqui está seu perdão. (John F. Cowan)
Qual tem sido nossa atitude em relação àqueles que nos ferem, que nos ofendem, que nos fazem mal? Como reagimos quando temos a oportunidade de nos vingar ou perdoar? Que importância temos dado a Deus quando nos vemos diante de tal situação?
A Palavra do Senhor nos ensina a amar, a abençoar, a sermos generosos, a fazer o bem sempre. O Senhor quer que sejamos diferentes, que nossas ações provem a nossa conversão e transformação, que o Seu nome seja exaltado em tudo o que fazemos.
Quando pagamos com a mesma moeda e reagimos à afronta da mesma maneira, ignoramos os ensinos do Senhor, nossa vida espiritual é falsa e nosso testemunho é nulo.
Deus deseja que apresentemos mãos limpas e um coração puro diante dEle. Ele quer que estejamos prontos a perdoar da mesma forma que fomos perdoados em nossos delitos e pecados. O Seu Espírito nos enche de amor para que a qualquer momento e em qualquer situação, estejamos prontos a glorificá-Lo.

Qual sua reação quando alguém lhe faz algum mal? Paga com o mesmo mal ou deixa a glória do Senhor brilhar em sua vida, retribuindo o mal com o bem?

NÃO DEIXE DE AMAR



          Nós o amamos porque ele nos amou primeiro" (1 João 4:19).

" Houve, certa vez, um carpinteiro bem treinado que nunca pediu salários; que nunca possuiu um lar que pudesse chamar de casa própria; um professor jovem e brilhante que nunca solicitou aumento de salário; um grande médico que curou doentes e aflitos sem nunca perguntar se tinham plano de saúde pública ou seguro de saúde particular; um bom vizinho que sempre procurou demonstrar seu amor e cortesia. Ele viajou por todos os lugares do país e tentou ajudar a todos que encontrou pelo caminho; frequentemente alimentava a grande quantidade de pessoas que estavam famintas, sem perguntar se tinham ou não dinheiro para pagar. Ele estava tão envolvido no propósito de ajudar pessoas que chorava diante dos que apresentavam uma condição deplorável. Contudo, eles o crucificaram, e algumas das muitas pessoas que Ele tentou ajudar, juntaram-se à turba insensata que zombou dele e cuspiu em seu rosto!"

Por que somos assim? Por que não valorizamos o que nos faz bem? Por que preferimos o mal, o erro, a mentira, o engano, os caminhos incertos e duvidosos? Da mesma forma que Jesus amou e abençoou a todos quando esteve nesse mundo, continua amando e abençoando a todos que, hoje, abrem o coração para Ele, reconhecendo-O como Senhor e Salvador.
Quando necessitamos de cuidados, Ele continua estendendo as mãos para nós. Ele não se preocupava com salários, mas, promete suprir todas as nossas necessidades. Ele ensinava às multidões em Sua terra e continua sendo o bom Mestre que nos ensina o caminho da vitória e da felicidade. Ele ainda é o Médico dos médicos que cura as feridas de nossas almas.
Ele é o meu Deus, o meu Senhor, o meu melhor Amigo, o Companheiro que quero levar a todos os lugares para onde for. Muitos, no passado, se voltaram contra Ele, porém, eu só quero abraçá-lo, dizer que O amo e mostrar toda a minha gratidão pelo que fez e continua fazendo por mim.

Obrigado, Senhor...

sábado, 1 de dezembro de 2012

NÃO FAÇA TROCA


"Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós" (Tiago 4:7).

Um inteligente menino, que havia aprendido sobre os males da bebida e que havia se comprometido a evitá-la, visitou, certa vez, um tio rico que lhe ofereceu um copo de vinho. O menino recusou. Desejando ver até que ponto o menino seria capaz de resistir, insistiu e, por fim, ofereceu-lhe um relógio novo caso ele aceitasse beber o vinho. O menino recusou, dizendo: "Por favor, não me tente. Se eu me mantiver abstêmio, um dia poderei comprar, eu mesmo, um relógio. Mas, se eu beber e aceitar o seu relógio de presente, talvez eu tenha, um dia, que penhorá-lo para obter pão."
O mundo nos tenta, a cada dia, com prazeres que podem nos levar à destruição total. Muitos desses prazeres têm aparência ingênua, inofensiva e até agradável. Até pensamos que somos fortes suficientes para não nos deixar enredar ou prender, mas, quando percebemos, já é tarde demais.
é necessário que estejamos firmes em Cristo. Ele nos protege, nos dirige, nos liberta. às vezes, por um simples descuido, perdemos a paz, a alegria, a bênção tão almejada.
Melhor é resistir ao mal, ficar longe dele, evitá-lo a todo custo. Quem não experimenta o vício, não se vicia. Quem não se move ladeira abaixo, não têm de se esforçar para subir novamente. Quem não se mete em atalhos desconhecidos, não precisa se inquietar para achar novamente o Caminho.
Quando estamos determinados a resistir ao mal, o Senhor nos ajuda e nos fortalece. Quando nos deixamos vencer pela tentação, perdemos o contato com Deus, o nosso coração se entristece e os dias felizes se tornam muito mais escassos.
Se você não consegue resistir aos enganos deste mundo, peça forças ao Senhor. Ele lhe ajudará.

Paulo Barbosa

 

SAIA DO COMODISMO



"No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele" (Efésios 3:12).

Eu ouvi que, se a neblina impede que o marinheiro de um barco pequeno veja a bóia que marca seu percurso, ele gira rapidamente seu barco em pequenos círculos sabendo que as ondas que ele provoca balançará a bóia que estiver mais próxima. Então ele pára, escuta e repete o procedimento até ouvir o tilintar da bóia. Provocando ondas, ele encontra o seu percurso. Muitas vezes o ato de "provocar ondas" implica em correr riscos. O barco que permanece no porto nunca enfrenta perigos, mas, também nunca chega a lugar algum. (The Christophers)

Em nossa caminhada neste mundo, é possível que tenhamos de "provocar ondas" para atingir algum objetivo. Nesse ato de "provocar ondas", podemos enfrentar perigos, podemos contentar e desagradar pessoas, podemos alcançar admiração ou críticas. Temos de estar preparados para tudo e, com perseverança e determinação, confiar que seremos vencedores.
Há pessoas que preferem não se arriscar, que se acomodam em sua insegurança, que se omitem quando alguma coisa depende de ousadia e coragem. Não experimentam decepções, mas, ao mesmo tempo, não saboreiam momentos de conquistas e vitórias.
A nossa vida não pode ficar limitada à covardia. Já houve quem dissesse que o medo de perder impede que uma pessoa vença. Somos filhos de Deus e o Senhor nos conclamou a ter coragem e crer que Ele estaria a nosso lado nas lutas e batalhas. Se temos sonhos, lutemos bravamente por eles. Se queremos chegar a algum lugar, sigamos em frente e contemos com a direção de Deus. Se tememos a neblina que nos obstrue a visão da bóia da vitória, façamos o barco de nossa vida girar até atingirmos nossos propósitos. Só não podemos ficar inertes, conformados, sem fé e esperança, ignorando que o nosso Deus é poderoso para cumprir Suas promessas e nos conduzir em segurança.
Você está pronto a, se necessário, provocar ondas ou prefere ficar parado no porto da desilusão?

                             Ext  Paulo  Roberto

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

COMECE NOVA HISTORIA COM JESUS

Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - “Pai, começa o começo!".
O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos.
Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim.
Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.
Meu pai faleceu há muito tempo, (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança.
Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, "começar o começo" de tantas cascas duras que encontro pelo caminho.
Hoje, minhas "tangerinas" são outras. Preciso "descascar" as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.
Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis...
Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para "começar o começo" era o que me dava a certeza de que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta.
O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado.
Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.
Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus: "Pai, começa o começo!". Ele não só "começará o começo", mas resolverá toda a situação para você.
Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus, para pedir, sempre que for preciso: "Pai, começa o começo!".

terça-feira, 20 de novembro de 2012

LEMBRE-SE PARA SER LEMBRADO

"Portanto cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação" (Romanos 15:2).
Um fazendeiro cujo milho sempre era considerado o melhor, ganhando o primeiro prêmio na feira do Estado, tinha o hábito de compartilhar seu milho com todos os fazendeiros da vizinhança. Quando lhe perguntaram o motivo pelo qual fazia aquilo, ele disse: "É um assunto de interesse pessoal. O vento levanta o pólen e leva-o de campo em campo. Se os meus vizinhos cultivassem um milho inferior, a polinização cruzada diminuiria a qualidade de meu próprio milho. Por isso eu os ajudo a produzir o melhor dos melhores."                      


Seguindo o raciocínio daquele fazendeiro, devemos nos preocupar em ajudar a nossos amigos e parentes a viver uma vida que engrandeça e glorifique o nome do Senhor Jesus. É melhor caminhar ao lado de pessoas que expressem o amor de Deus, que estejam sempre dispostas a estender a mão ao próximo, que não desistam diante dos primeiros obstáculos, que compartilhem fé e esperança, que sejam sempre mais que vitoriosas.

Eu quero distribuir sorrisos, mesmo nas horas de dificuldades e aflições, e, ter pessoas ao meu lado que também estejam sorrindo me ajudará em meu propósito. Eu quero ser capaz de ultrapassar as barreiras das decepções e dos fracassos, e a presença de pessoas que perseveram e têm uma fé inabalável, certamente me estimulará a seguir em frente sem duvidar jamais. Eu quero cantar nas tempestades, louvar em meio a espinhos, glorificar ao andar em estradas pedregosas, e contar com a companhia de pessoas que agem da mesma maneira aliviará o meu esforço e fará da caminhada um momento muito mais agradável e feliz.

Portanto, ao agradarmos a nosso próximo, estaremos agradando a nós mesmos. Abençoando aos nossos vizinhos estaremos abençoando nossa própria vida. Se o ambiente em que vivemos estiver edificado em Cristo, nós também seremos edificados e gozaremos, no Senhor, de uma vida repleta de felicidade.

LIBERDADE SÓ EM CRISTO


"Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (João 8:36).Peter Yakovlevich Vins escreveu à sua família da prisão russa, em 1936. Ele lhes pediu que orassem para que tivesse poder do alto para ser uma testemunha fiel de Cristo. Em sua carta, ele conclui com a seguinte declaração: "É melhor estar com Ele na prisão do que em liberdade sem Ele."

Sempre é melhor estar com Cristo. Em qualquer lugar ou em qualquer situação, a presença do Senhor junto a nós faz toda a diferença. Com Ele somos tudo e temos tudo. Sem Ele não somos nada e não temos nada.

A verdadeira liberdade é aquela que nos proporciona alegria e felicidade. E esta liberdade encontramos na pessoa do nosso Senhor e Salvador. Com Ele sabemos onde estamos e para onde vamos. Com Ele podemos sorrir e cantar, podemos amar e ter esperanças, podemos ser bênção e abençoar.

Eu quero estar preso a Ele, caminhar em Sua presença, fazer a Sua vontade e seguir o Seu comando. Só assim serei completamente livre, só assim poderei testemunhar da liberdade de ter uma vida abundante, só assim estarei livre dos enganos do mundo e preparado para gozar da alegria de ir para o Céu.

De que adianta uma liberdade falsa, que leva jovens aos vícios, que desajusta lares, que encurta o futuro? Esta liberdade não tem valor e é pior que os muros de uma prisão.

Somos livres ou não? Somos felizes ou não? Jesus está em nossos corações ou não? Se a nossa resposta é não para um ou mais itens dessas perguntas, temos a liberdade de tomar a decisão por Cristo. Ele nos ama, nos acolherá em Seus braços, nos dará a tão sonhada liberdade.

domingo, 11 de novembro de 2012

ELE PAGOU O PREÇO

  •  

  Um dia, um homem chamado George Thomas, um bispo de uma pequena cidade nos Estados Unidos, chegou na igreja na parte da manhã, trazendo na mão uma gaiola vazia e colocou-a em cima do púlpito. Muitas pessoas ficaram curiosas e ele começou a falar....
Eu estava andando na rua ontem quando eu vi um rapaz que vinha em minha direção. Ele estava balançando esta gaiola e nela havia três pássaros pequenos que estavam tremendo de frio e medo. Eu perguntei ao rapaz:
O que você tem aí?
Só alguns pássaros velhos.
O que vai fazer com eles?
Vou levá-los para casa e vou brincar com eles. Eu vou amolá-los e vou arrancar suas penas, eu vou ter um bom passatempo com eles.
Mais você vai cansar deles cedo ou tarde. O que vai fazer com ele depois?
Tenho alguns gatos e eles gostam de pássaros. Vou dá-los a eles.
O bispo fez silêncio por um momento e perguntou: quanto quer pelos pássaros?
O que???? O senhor quer esses pássaros? Eles são somente pássaros velhos que não cantam e não são bonitos.
Quanto? O bispo perguntou. O rapaz pensou que o bispo estava louco e falou:
Dez dólares. O bispo retirou dez dólares do bolso e colocou na mão do rapaz. Rapidamente o rapaz saiu.
Em seguida o bispo levou a gaiola e encontrou um lindo lugar. Ele abriu a porta e soltou todos os pássaros. Isto explica porque ele teve a gaiola no púlpito, e então o bispo começou a contar a história...
Um dia Satanás e Jesus estavam tendo um diálogo. Satanás havia voltado do Jardim do Éden, olhando com satisfação:
Sim, Senhor. Eu capturei o mundo enchendo-o completamente de pessoas lá em baixo. Coloquei algumas armadilhas, usei iscas e eu sabia que eles não poderiam resistir. Capturei todos eles.
O que vai fazer com eles? Perguntou Jesus Cristo.
Eu vou ter uma grande diversão com eles. Vou ensinar como casar-se e divorciar-se. Como abusar-se mutuamente. Como inventar armas e bombas e matarem-se mutuamente. Eu realmente vou ter divertimento.
E o que você vai fazer quando se cansar dessas coisas?
Vou matá-los e condená-los.
Jesus então perguntou: quanto você quer por eles?
E Satanás respondeu: você não quer essas pessoas. Elas não são boas e se ajudá-los vão detestá-lo. Eles vão cuspir em você, maldizer-te e matá-lo.
Você não vai querê-los.
Quanto? Perguntou Jesus.
Satanás olhou para Jesus e zombou dele: eu quero todas as suas lágrimas e todo o seu sangue.

"Jesus pagou o preço. Ele levou a gaiola e nos abriu a porta."

Que possamos fazer com que o sacrifício que Cristo fez por nós realmente possa ser válido, e que busquemos levar uma vida de retidão para dessa maneira expressarmos um pouco da gratidão que sentimos pelo seu sofrimento pelos nossos pecados.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

VOCE CONSEGUE ENTENDER


Na cidade de São Paulo, numa noite fria e escura de inverno, próximo a uma esquina por onde passavam várias pessoas, um garotinho vendia balas a fim de conseguir alguns trocados. Mas o frio estava intenso e as pessoas já não paravam mais quando ele as chamava.

Sem conseguir vender mais nenhuma bala, ele sentou na escada em frente a uma loja e ficou observando o movimento das pessoas.

Sem que ele percebesse, um policial se aproximou. "Está perdido, filho?" O garoto meneou a cabeça.

"Só estou pensando onde vou passar a noite hoje... normalmente durmo em minha caixa de papelão, perto do correio, mas hoje o frio está terrível.. O senhor sabe me dizer se há algum lugar onde eu possa passar esta noite?"

O policial mirou-o por uns instantes e coçou a cabeça, pensativo.

"Se você descer por esta rua", disse ele apontando o polegar na direção de uma rua, à esquerda, "lá embaixo vai encontrar um casarão branco, chegando lá, bata na porta e quando atenderem apenas diga 'João 3:16'.

Assim fez o garoto.

Desceu a rua estreita e quando chegou em frente ao casarão branco, subiu os degraus da escada e bateu na porta. Quem atendeu foi uma mulher idosa, de feição bondosa. "João 3:16", disse ele, sem entender direito.

"Entre, meu filho". A voz era meiga e agradável. Assim que ele entrou, foi conduzido por ela até a cozinha onde havia uma cadeira de balanço antiga, bem ao lado de um velho fogão de lenha acesso.

"Sente-se, filho, e espere um instantinho, tá?" O garoto se sentou e, enquanto observava a velha e bondosa mulher se afastar, pensou consigo mesmo:

"João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que aquece a um garoto com frio".

Pouco tempo depois a mulher voltou. "Você está com fome?", perguntou ela.

"Estou um pouquinho, sim... há dois dias não como nada e meu estômago já começa a roncar..." A mulher então o levou até a sala de jantar,onde havia uma mesa repleta de comida. Rapidamente o garoto sentou-se à mesa e começou a comer; comeu de tudo, até não agüentar mais. Então ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que mata a fome de um garoto faminto".

Depois a bondosa senhora o levou ao andar superior, onde se encontrava um quartinho com uma banheira cheia de água quente. O garoto só esperou que a mulher se afastasse e então rapidamente se despiu e tomou um belo banho, como há muito tempo não fazia. Enquanto esfregava a bucha pelo corpo pensou consigo mesmo: "João 3:16...

Eu não entendo o que isso significa, mas sei que torna limpo um garoto que há muito tempo estava sujo. Cerca de meia hora depois a velha e bondosa mulher voltou e levou o garoto até um quarto onde havia uma cama de madeira, antiga, mas grande e confortável.

Ela o abraçou, deu-lhe um beijo na testa e, após deitá-lo na cama, desligou a luz e saiu. Ele se virou para o canto e ficou imóvel, observando a garoa que caía do outro lado do vidro da janela. E ali, confortável como nunca, ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que dá repouso a um garoto cansado".

No outro dia, de manhã, a bondosa senhora preparou uma bela e farta mesa e o convidou para o café da manhã. Quando o garoto terminou de comer, ela o levou até a cadeira de balanço, próximo ao fogão de lenha. Depois seguiu até uma prateleira e apanhou um livro grande, de capa escura. Era uma Bíblia. Ela voltou, sentou-se numa outra cadeira, próximo ao garoto e olhou dentro dos olhos dele, de maneira doce e amigável.

"Você entende João 3:16, filho?"

"Não, senhora... eu não entendo... A primeira vez que ouvi isso foi ontem à noite... um policial que falou...".

Ela concordou com a cabeça, abriu a Bíblia em João 3:16 e começou a explicar sobre Jesus. E ali, aquecido junto ao velho fogão de lenha, o garoto entregou o coração e a vida a Jesus. E enquanto lágrimas de felicidade deixavam seus olhos e rolavam face à baixo, ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... ainda não entendo muito bem o que isso significa, mas agora sei que isso faz um garoto perdido se sentir realmente seguro".

Eu tenho de confessar uma coisa, eu também não entendo como Deus pôde mandar Seu Filho para morrer por nós e também não entendo como Jesus concordou com tal coisa. Eu não compreendo a agonia do Pai e de todos os anjos no Céu enquanto viam Jesus sofrer e morrer por nós. Eu não entendo esse imenso amor que Jesus teve por nós, ao ponto de ser crucificado na cruz. Eu não entendo muito bem, mas estou certo que isso faz a vida valer a pena!!!

Pois Deus amou o mundo de tal maneira, que deu Seu único Filho para que todo aquele que nEle crê, não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3:16).Deus não mandou Jesus para condenar o mundo, mas sim para salvá-lo.

Aquele que crer em Jesus não será condenado, mas terá a vida eterna!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

O VERDADEIRO TESOURO JESUS

A Corrida do Ouro na Califórnia, em 1848 teve a sua parcela de garimpeiros que pensavam ter ficado muito ricos — até descobrirem a existência de uma pedra cintilante que veio a ser conhecida como ouro de tolo. Muitos viram seus sonhos esvanecerem-se no brilho metálico e na tonalidade amarelo-latão de um mineral relativamente sem valor, denominado pirita de ferro.
Tal desencanto encontra ressonância em tudo nas nossas vidas. Mais cedo ou mais tarde, cada um de nós aprende que “nem tudo que reluz é ouro”. Aquilo que parece uma pechincha não é, necessariamente, um bom negócio. Pessoas nas quais depositamos nossa confiança ferem os nossos sentimentos.
De muitas maneiras, precisamos de sabedoria para enxergar a diferença entre um verdadeiro tesouro e uma imitação sem valor.
Muito tempo atrás, um antigo rei descobriu que encontrar a verdadeira sabedoria vale mais do que qualquer outra coisa que estejamos procurando. Salomão escreveu:
 “Feliz o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento; porque melhor é o lucro que ela dá do que o da prata, e melhor a sua renda do que o ouro mais fino. Mais preciosa é do que pérolas, e tudo o que podes desejar não é comparável a ela” (Provérbios 3:13-15).
Salomão, porém, acrescenta uma advertência. Ele alerta os possíveis caçadores de tesouros que uma busca por sabedoria pode deixar-nos com algo pior que ouro de tolo.

 Em sua coleção de provérbios, ele pergunta: “Tens visto a um homem que é sábio a seus próprios olhos? Maior esperança há no insensato do que nele” (26:12).

Outra maneira de dizer isso poderia ser: “Você vê pessoas que pensam saber tudo?
Se elas não abrirem os olhos, jamais saberão, tanto quanto uma pessoa que descobre como tem sido tola.”

O QUE VOCE DIRIA

 
uma coisa sei: eu era cego e agora vejo. —João 9:25
 
Ao longo dos últimos cinco anos, o nome e a face de Dan Smith têm aparecido em folhetos distribuídos em quiosques de cafés, lavanderias e pequenos negócios de toda a cidade de Nova Iorque, EUA. O slogan contido nos folhetos diz: Dan Smith ensina a tocar violão. O resultado é que o sr. Smith está totalmente ocupado, ensinando seus alunos a tocarem violão. Muitos alunos entusiasmados colocam seus folhetos em novos lugares.
 É sua maneira de dizerem “Dan Smith ensinou-me a tocar violão. Ele também pode ensinar você.”
As páginas da Bíblia são repletas de relatos de pessoas e sobre o que Deus lhes fez. Um dos mais vívidos aparece no livro de João 9, em que Jesus encontrou um homem cego de nascença e, milagrosamente, capacitou-o a ver (vv.1-7). Após questionamentos repetitivos por céticos líderes religiosos locais, o homem só pôde dizer: “…uma coisa sei: eu era cego e agora vejo” (v.25).

Se você tivesse seis palavras para expressar o que Cristo fez por você e pode fazer por outros, o que você diria? Talvez, “Jesus Cristo perdoará os seus pecados”, ou “…lhe dará esperança”, ou “…salvará sua alma”. Quando Jesus transformou nossas vidas, reafirmamos Seu poder de fazer por outros o que Ele fez por nós.
“Eu era cego e agora vejo.” 

 Somos as “cartas de recomendação” de Cristo a todos os que leem nossas vidas

sábado, 3 de novembro de 2012

O PREGO DA LEMBRANÇA

…Na verdade, o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia. —Gênesis 28:16

 
Uma canção popular do passado, chamada “À distância”, imagina um mundo de harmonia e paz. Ela diz: “Deus nos observa à distância.” Deveras, Deus nos observa, mas não à distância. Ele está presente no quarto com você, bem à sua frente, olhando-o com amor irrestrito em Seus olhos.

Penso no exemplo do Irmão Lawrence, que passou longos anos trabalhando numa cozinha lavando panelas e frigideiras e fazendo reparos nas sandálias de outros monges. Ele escreveu: “Tanto quanto pude, coloquei-me diante dele como adorador, fixando minha mente em Sua santa presença.”

Essa tarefa também nos pertence. Mas nós nos esquecemos e, às vezes, precisamos de lembretes da Sua presença. Preguei um velho prego feito à mão na prateleira sobre minha escrivaninha para lembrar-me de que o Jesus crucificado e ressurreto está sempre presente. Nossa tarefa é lembrarmo-nos de ter o Senhor “…sempre à minha presença…” (Salmo 16:8) — saber que Ele está conosco até “a consumação do século” (Mateus 28:20) e que Ele “…não está longe de cada um de nós” (Atos 17:27).
Lembrar-se pode ser tão simples quanto recordar que o Senhor prometeu estar com você ao longo de todo o dia e dizer- -lhe:
 “Bom dia”, “Obrigado”, “Socorro!” ou “Eu o amo”.

CONFIE SEU BARCO A JESUS

…Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor. —Jeremias 17:5

Mark Wilkinson comprou um barco de aproximadamente 5 metros para pesca e recreação. Aparentemente, ele não era supersticioso, pois batizou seu barco de Titanic II, como o navio de luxo que bateu numa geleira e afundou em 1912.
 A viagem inaugural do Titanic II a partir de um porto em Dorset, na Inglaterra, ia bem. Mas, quando Wilkinson voltava, o barco começou a encher-se de água. Logo, ele estava agarrado a um balaústre, aguardando o resgate. Registra-se que Wilkinson disse: “É um pouco embaraçoso, e fiquei farto de as pessoas me perguntarem se eu havia batido numa geleira.” Isso foi acompanhado por uma testemunha ocular, que disse: “Não era um barco muito grande — acho que um cubo de gelo poderia tê-lo afundado!”
A história do Titanic II é um bocado irônica. Mas, ela também me faz pensar no Titanic original e no perigo da confiança mal direcionada. Os construtores daquele transatlântico estavam absolutamente confiantes de que o seu navio era inafundável. Mas, como estavam enganados! Jeremias nos lembra: “Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor” (Jeremias 17:5).
Todos nós somos propensos a buscar segurança em pessoas ou coisas. Com muita frequência, necessitamos ser lembrados de abandonar essas falsas confianças e nos voltarmos para Deus. Você está depositando sua confiança em algo que não seja Ele?

terça-feira, 30 de outubro de 2012

POR FAVOR LEIA TUDO

               
Eu estava sentado em minha cadeira favorita, estudando para a fase final de meu doutorado, quando Sarah apareceu com uma pergunta:
- Papai, você quer ver meu desenho?
- Sarah, papai está ocupado. Volte um pouco mais tarde, querida.


Eu estava ocupado.
O trabalho de uma semana inteira a ser feito em apenas um fim de semana.
Dez minutos depois ela entrou na sala.
- Papai, me deixa te mostrar o meu desenho.
- Sarah, volte mais tarde. Isto que estou fazendo é importante.

Três minutos depois ela entra novamente, fica à um palmo de meu nariz e falou com todo o poder que um comandante de cinco anos de idade poderia conseguir:
- Você quer ver ou não?
- Não, eu não quero.

Com isso, ela zuniu pra fora e me deixou só.
E de alguma maneira, estando só naquele momento não estava tão satisfeito quanto pensei que ficaria.
Me senti como que puxado e fui até a porta da frente.
- Sarah, – eu chamei – você poderia entrar um minuto, por favor?
Papai gostaria de ver o seu desenho.

Ela entrou sem reclamações e se atirou em meu colo.
Era um grande quadro.
Ela lhe deu até um título.
No alto, com sua melhor letra, estava escrito:
NOSSA FAMÍLIA.

- Me explique o quadro. Pedi à ela.
- Aqui é a Mamãe (uma figura de palito com cabelo longo, amarelo, ondulado), aqui sou eu, do lado de Mamãe (com um sorriso no rosto), aqui é Katie (nosso cachorro), e aqui é Missy (a pequena irmã dela).

Era uma interessante apresentação da forma como ela via nossa família.
- Adorei seu desenho, querida.
Vou pendurar na parede da sala de jantar, e toda noite quando eu voltar pra casa eu vou olhar para ele.

Ela sorriu de orelha a orelha e foi brincar lá fora.
Voltei aos meus livros.
Mas por alguma razão eu mantive a leitura no mesmo parágrafo repetidamente.
Algo me deixava intranqüilo.
Algo sobre o desenho de Sarah.
Alguma coisa estava faltando.

Eu fui até a porta da frente.
- Sarah, – eu chamei – você poderia voltar aqui dentro um minuto, por favor?
Eu quero olhar seu desenho novamente.

Sarah voltou ao meu colo.
Hoje, fecho meus olhos e posso ver exatamente o jeitinho dela.
Bochechas rosadas.
Rabo de cavalo, short vermelho e tênis.
Uma boneca de pano, chamada Nellie, debaixo do braço.
Eu fiz uma pergunta para minha pequena menina, mas não estava certo de querer ouvir a resposta.
- Querida… Tem a Mamãe, e Sarah, e Missy. Até Katie, que é um cachorro está no desenho.
E tem o sol, e a casa, e esquilos e pássaros.
Mas Sarah… onde está seu papai?
- Você está na biblioteca. Ela respondeu.

Com aquela declaração simples, minha pequena princesa parou o tempo para mim.
Erguendo-a suavemente, eu lhe mandei de volta para brincar ao sol de primavera.
Eu me afundei em minha cadeira com a cabeça girando.
A declaração simples de Sarah
- Você está na biblioteca
- prendeu minha atenção por um bom tempo.

Pendurei o desenho na parede da sala de jantar conforme tinha prometido à minha menina.
E por aquelas longas semanas que antecederam a defesa de minha tese, eu encarei aquele retrato esclarecedor.
Finalmente terminei meu doutorado.
Agora eu era “Dr. Rosberg”, e eu deveria ter me sentido muito bem.
Mas francamente não havia muita alegria em minha vida.

Uma noite depois da graduação, Barbara e eu estávamos conversando na cama e eu lhe perguntei:
- Barbara, obviamente você viu o desenho da Sarah pendurado na parede da sala de jantar.
Por que você não disse nada?
- Porque eu sei o quanto feriu você.

Palavras de uma sábia mulher.
Àquele ponto, eu fiz a pergunta mais difícil de minha vida.
- Barbara… Eu quero voltar pra casa. Posso?

Vinte segundos de silêncio se seguiram.
Parecia que eu prendia meu fôlego por mais de uma hora.
- Gary, – Barbara disse cuidadosamente
- as meninas e eu te amamos muito.
Nós o queremos em casa.
Mas você não esteve aqui.
Eu me senti como mãe e pai durante muito tempo.

As palavras impressas parecem frias, mas ela as disse com carinho e ternura.
Era apenas a verdade clara, sem disfarce.
Minha pequena menina tinha desenhado o quadro,e agora a mãe dela dizia as palavras.
Minha vida tinha sido descontrolada, minha família estava em piloto automático, e eu tinha uma longa estrada pela frente se quisesse as conquistar novamente.

Mas eu tinha conseguir.
Agora que a névoa tinha se dissipado, se tornou o objetivo mais importante de minha vida.

sábado, 27 de outubro de 2012

ATITUDE DE FÉ



Uma mulher acordou pela manhã após a quimioterapia, olhou no espelho e percebeu que lhe restavam apenas três fios de cabelo.

- Bom (ela disse), acho que vou trançar meus cabelos hoje.

Assim ela fez e teve um dia maravilhoso.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e viu que tinha somente dois fios de cabelo na cabeça.

-
Hummm
(ela disse), acho que vou repartir meu cabelo no meio hoje.

Assim ela fez e teve um dia magnífico.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que tinha apenas um fio de cabelo na cabeça.

- Bem (ela disse), hoje vou amarrar meu cabelo como um rabo de cavalo.

Assim ela fez e teve um dia divertido.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que não havia um único fio de cabelo na cabeça.

-
Yeeesss…  (ela exclamou), hoje não tenho que pentear meu cabelo.

ATITUDE É TUDO !!!

Você possui duas formas de ver os desafios, ou como um crescimento e algo temporário, ou seja apenas um ato, e crer na verdade das promessas que Deus tem pra você , ou simplesmente lamentar a difícil situação e não tirar proveito de absolutamente nada.  E o que você escolhe ? 
Qual será sua atitude mediante aos desafios?

Gn 18:14a Acaso para Deus há cousa demasiadamente dificíl ?

Lc !:37 Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas

A QUEM VOCE SEGUE

Senhor abriu a boca do jumento e ela disse a Balaão:  "Que foi que eu lhe fiz para você bater em mim três vezes?"  Números 22:28.Balaão era um homem confundido. Necessitava uma mensagem especial para desperta-lo.Porém não havia nenhum pastor por perto, nem pregador, nem professor da Bíblia. Tudo o que havia era um jumento, e Deus lhe entregou a mensagem e ela falou. 
No entanto,os homens correm o perigo de esquecer ao Deus da mensagem e seguir o jumento, e o jumento também corre o perigo de pensar que ele é o que realmente vale.

É interessante a história do burrinho que levou a JESUS durante sua entrada triunfal em Jerusalém. Todo o mundo gritava hosana, todo o mundo se inclinava e aplaudia enquanto JESUS passava, mas o burrinho pensou que era uma homenagem para ele.
Essa noite o burrinho chegou a sua casa e disse aos seus pais: " Apartir de hoje terão que me tratar com maior consideração, porque sou muito importante. Esta manhã fui a cidade, e todo o mundo se inclinou diante de mim e aplaudiram para homenagear-me. 
Os pais-conta a fábula- ficaram intrigados com a noticia, e no dia seguinte o acompanharam a cidade para ver se era verdade o que o seu filho havia contado.
Para a decepção do burrinho, desta vez ninguém lhe olhou, e até havia gente que o batia para que ele saísse do caminho.
Ai dos mensageiros que , esquecendo do Deus da mensagem, permitem que o orgulho e a auto- suficiência se apoderem deles! Ai dos homens que, esquecendo do Senhor da mensagem, concentrem sua atenção ao mensageiro!
Não somos seguidores de homens.JESUS deveria ser o centro de nossa atenção: o JESUS crucificado, ressuscitado e próximo a voltar. Os homens podem falar, decepcionar e até trair, porém JESUS nunca. Construir o discipulado sobre um homem é edificar na areia. JESUS é a rocha dos séculos, somente nEle estaremos seguros. 
Sou seguidor de JESUS ou estou seguindo aos homens? Esta é uma pergunta que deve ser respondida. Vai com JESUS, siga a Estrela da Manhã. Ele te conduzira ao porto seguro.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

ELE MORREU POR VOCE

Na cidade de São Paulo, numa noite fria e escura de inverno, próximo a uma esquina por onde passavam várias pessoas, um garotinho vendia balas a fim de conseguir alguns trocados. Mas o frio estava intenso e as pessoas já não paravam mais quando ele as chamava.

Sem conseguir vender mais nenhuma bala, ele sentou na escada em frente a uma loja e ficou observando o movimento das pessoas.

Sem que ele percebesse, um policial se aproximou. "Está perdido, filho?" O garoto meneou a cabeça.

"Só estou pensando onde vou passar a noite hoje... normalmente durmo em minha caixa de papelão, perto do correio, mas hoje o frio está terrível.. O senhor sabe me dizer se há algum lugar onde eu possa passar esta noite?"

O policial mirou-o por uns instantes e coçou a cabeça, pensativo.

"Se você descer por esta rua", disse ele apontando o polegar na direção de uma rua, à esquerda, "lá embaixo vai encontrar um casarão branco, chegando lá, bata na porta e quando atenderem apenas diga 'João 3:16'.

Assim fez o garoto.

Desceu a rua estreita e quando chegou em frente ao casarão branco, subiu os degraus da escada e bateu na porta. Quem atendeu foi uma mulher idosa, de feição bondosa. "João 3:16", disse ele, sem entender direito.

"Entre, meu filho". A voz era meiga e agradável. Assim que ele entrou, foi conduzido por ela até a cozinha onde havia uma cadeira de balanço antiga, bem ao lado de um velho fogão de lenha acesso.

"Sente-se, filho, e espere um instantinho, tá?" O garoto se sentou e, enquanto observava a velha e bondosa mulher se afastar, pensou consigo mesmo:

"João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que aquece a um garoto com frio".

Pouco tempo depois a mulher voltou. "Você está com fome?", perguntou ela.

"Estou um pouquinho, sim... há dois dias não como nada e meu estômago já começa a roncar..." A mulher então o levou até a sala de jantar,onde havia uma mesa repleta de comida. Rapidamente o garoto sentou-se à mesa e começou a comer; comeu de tudo, até não agüentar mais. Então ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que mata a fome de um garoto faminto".

Depois a bondosa senhora o levou ao andar superior, onde se encontrava um quartinho com uma banheira cheia de água quente. O garoto só esperou que a mulher se afastasse e então rapidamente se despiu e tomou um belo banho, como há muito tempo não fazia. Enquanto esfregava a bucha pelo corpo pensou consigo mesmo: "João 3:16...

Eu não entendo o que isso significa, mas sei que torna limpo um garoto que há muito tempo estava sujo. Cerca de meia hora depois a velha e bondosa mulher voltou e levou o garoto até um quarto onde havia uma cama de madeira, antiga, mas grande e confortável.

Ela o abraçou, deu-lhe um beijo na testa e, após deitá-lo na cama, desligou a luz e saiu. Ele se virou para o canto e ficou imóvel, observando a garoa que caía do outro lado do vidro da janela. E ali, confortável como nunca, ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que dá repouso a um garoto cansado".

No outro dia, de manhã, a bondosa senhora preparou uma bela e farta mesa e o convidou para o café da manhã. Quando o garoto terminou de comer, ela o levou até a cadeira de balanço, próximo ao fogão de lenha. Depois seguiu até uma prateleira e apanhou um livro grande, de capa escura. Era uma Bíblia. Ela voltou, sentou-se numa outra cadeira, próximo ao garoto e olhou dentro dos olhos dele, de maneira doce e amigável.

"Você entende João 3:16, filho?"

"Não, senhora... eu não entendo... A primeira vez que ouvi isso foi ontem à noite... um policial que falou...".

Ela concordou com a cabeça, abriu a Bíblia em João 3:16 e começou a explicar sobre Jesus. E ali, aquecido junto ao velho fogão de lenha, o garoto entregou o coração e a vida a Jesus. E enquanto lágrimas de felicidade deixavam seus olhos e rolavam face à baixo, ele pensou consigo mesmo: "João 3:16... ainda não entendo muito bem o que isso significa, mas agora sei que isso faz um garoto perdido se sentir realmente seguro".

Eu tenho de confessar uma coisa, eu também não entendo como Deus pôde mandar Seu Filho para morrer por nós e também não entendo como Jesus concordou com tal coisa. Eu não compreendo a agonia do Pai e de todos os anjos no Céu enquanto viam Jesus sofrer e morrer por nós. Eu não entendo esse imenso amor que Jesus teve por nós, ao ponto de ser crucificado na cruz. Eu não entendo muito bem, mas estou certo que isso faz a vida valer a pena!!!

Pois Deus amou o mundo de tal maneira, que deu Seu único Filho para que todo aquele que nEle crê, não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3:16).Deus não mandou Jesus para condenar o mundo, mas sim para salvá-lo.

Aquele que crer em Jesus não será condenado, mas terá a vida eterna!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

SALVO PELO AMOR

O juiz de uma antiga província americana decretou a sentença de morte para um dos seus cidadãos, julgado culpado por determinado crime. A execução foi marcada para quando os sinos da igreja local retinissem, anunciando às 6 horas da tarde. Tudo já estava preparado. O cadafalso pronto, erguido bem na praça pública, de fronte à própria igreja, de cujos sinos as autoridades aguardavam o repicar, a fim de verem executada a sentença.

O condenado, emudecido, sem nenhuma esperança de continuar com vida, humilhado, permanecia passivo, esperando a morte.
Ele não se conformava com aquela execução, uma vez que a julgava injusta e desproporcional ao próprio crime.

Ademais, temia não só pelo fato de ter que deixar a esposa e filhos a quem amava, mas também pelo futuro deles, cujo destino ninguém poderia prever. Que seria dos seus filhos sem os cuidados e a proteção do pai? Que seria da esposa, num mundo hostil, e ainda sem nenhum meio de subsistência? Tudo era assustador.

Na medida em que se aproximava das 18 horas, mais aumentava o medo e a tensão. O tempo corria implacavelmente. Logo os temíveis e sinistros sinos da matriz soariam, anunciando o fim. Verificou-se, no entanto, que embora os relógios já estivessem marcando 6 horas da tarde, os tais sinos não tocavam. Esperaram ainda alguns minutos, e nada.

Afinal, a mando das autoridades, o carrasco foi verificar por que os sinos permaneciam mudos. Chegando no campanário, observou que o homem encarregado de puxar as cordas dos badalos estava trabalhando normalmente, puxando as ditas cordas com toda a força, porém, os sinos não repicavam.

Por fim, subindo ele à torre, até junto dos sinos, qual não foi a sua surpresa ao verificar que lá se encontrava a esposa do condenado, que, desesperada para salvar o marido, estava agarrada ao pesado badalo de um dos sinos, e com a corda do outro, enrolada em seu próprio corpo. Suas mãos, já ensangüentadas, ficaram maceradas pelas batidas do badalo. Assim, ferindo-se voluntariamente, impedindo que os sinos repicassem, aquela mulher fez um grande sacrifício, com a única intenção de salvar o marido.

Tão logo soube dos fatos, bem assim comovido pela demonstração de amor daquela esposa, o governador resolveu conceder o perdão e dar a liberdade para o apenado. Ainda abalada, porém, solidária com a decisão do governador, a multidão que aguardava ansiosa por uma execução em praça pública, agora, saindo às ruas, comemorava o amor que tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Com efeito, contundindo-se passivamente, num ato de automortificação, bem como demonstrando um grande amor, aquela mulher acabava de promover um grande bem por aquele a quem ela dedicava a sua vida.

Na verdade, um condenado foi salvo da execução, porque por ele os sinos não dobraram.
Sem dúvida, nós também admiramos o grande amor daquela mulher para com seu esposo. Contudo, esse amor não foi tão grande quanto o amor de Jesus por nós. Ele foi transpassado com pregos pelas mãos e pés, encravados num rude madeiro, a fim de dar a sua vida por nós. Atingido impiedosamente por diversas espécies de ferimentos físicos, ele foi moído, dilacerado, perfurado, cortado e quebrantado.

"O castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomo sarados". Is 53.5.


Embora, sendo ele o Filho de Deus, diante do qual até os anjos se curvam, ele deixou a sua glória e "... a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai". Fp 2.6-11.

OS TRES CRIVOS

Autor: Pr. Pedro Liasch Filho

Conta-se que no Líbano, há muitos anos, foi construído e muito bem equipado um hospital missionário. Mas apesar de haver muitos doentes naquela região, nenhum deles aparecia para submeter-se a qualquer cuidado médico. É que os inimigos do evangelho tinham espalhado a notícia de que os doentes que entrassem ali não sairiam com vida.

Certa manhã um dos médicos viu um cachorrinho com uma perna quebrada e o levou ao hospital para ser socorrido. Internado, o cãozinho foi bem tratado e tudo correu bem, pois logo ficou completamente curado. A notícia logo se espalhou e aqueles que antes tinham deixado influenciar-se pelos boatos caluniosos, começaram a pensar: Ora, um médico que foi tão bom apenas cuidando da saúde de um animal, não o será também para conosco?

Não demorou muito e os doentes começaram a aparecer para serem tratados. O melhor de tudo, porém, é que quando saiam só falavam bem do hospital, como ainda dos médicos, das enfermeiras e do pessoal. E assim levavam uma semente do evangelho, o que ainda é mais importante do que a saúde. Antes de dar alguma notícia a respeito de alguém ou de alguma coisa, no reino de Deus, veja primeiro se a história passa por estes três crivos:

1. Você tem certeza de que os fatos são verdadeiros?
2. Ainda que o sejam, será uma bênção contá-los?
3. Além do mais, é necessário sejam divulgados?

Caso não passe por essas três provas, nenhum comentário a respeito de alguém ou de alguma coisa jamais deverá ser feito por qualquer filho de Deus, a menos que ele queira cair na condenação do diabo, o pai da mentira, da calúnia e das difamações. E lembre-se de que o crente difamador é um servo de Deus a serviço do diabo. Não é sem motivo que a Escritura os condene severamente.

"... O difamador separa os maiores amigos". Pv 16.28.

"Irmãos, não faleis mal uns dos outros...". 1Pe 3.10, 11.
"Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo? O que não difama com sua língua, não faz mal ao próximo, nem lança injúria contra o seu vizinho..." Sl 15.1-3.

domingo, 21 de outubro de 2012

AINDA HA ESPERANÇA EM CRISTO

Dentre as muitas histórias que se conhece a respeito de Napoleão, existe uma que é realmente impressionante. Um jovem oficial do exército imperial tinha sido condenado à morte. A mãe do soldado, derramando lágrimas aos pés do imperador, suplicou o perdão para o filho. Napoleão de pronto recusou alegando tratar-se de um reincidente, razão pela qual a justiça exigia a morte do réu.
Desesperada, a mãe, argumentando, disse-lhe: Eu não peço justiça para o meu filho, majestade. Eu peço misericórdia, senhor, misericórdia! Replicou o monarca: Ele não merece misericórdia. Ela porém insistiu dizendo: Eu sei, senhor. Se ele a merecesse, não seria misericórdia, seria justiça. Tocando-lhe porém o coração essa verdade, Napoleão respondeu: Eu farei misericórdia.

“Se observares, Senhor, a iniqüidade, quem subsistirá? Contigo, porém, está o perdão, para que te temam... espere Israel no Senhor, pois no Senhor há misericórdia; e nele, há copiosa redenção.” Sl 130.3, 4, 7
 A obra de Cristo, consumada na cruz, satisfez plenamente a justiça de Deus. Ora, todo aquele que aceitá-la terá misericórdia e perdão. “Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Dificilmente alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer. Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós sendo nós ainda pecadores.” Rm 5.6-8.
Talves voce ache que tudo esta perdido e acabado em seu viver,mas quero lhe dizer que não, pois a misericordia do Senhor que te alcançar. Entregue sua vida nas mãos do Senhor e voce vera que grande mudança havera em sua vida.